Pgina Principal

 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Estilo atual: Padrão

Notícias UFS

  • Foi publicado nesta sexta-feira, 5, pelo Diário Oficial da União, a convocação de cerca de 70 aprovados no concurso público realizado pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) para lotação no Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS).

    Os convocados - aprovados para as áreas médica, assistencial e administrativa - deverão comparecer ao HU-UFS no próximo dia 13 de fevereiro, conforme agendamento enviado por e-mail. Neste dia, farão a entrega dos documentos exigidos no edital regulador do concurso, sendo que a lista da documentação e o cadastro estão disponíveis no site www.ebserh.gov.br, na aba Concursos e Seleções.

    Após a entrega de documentos e realização de exames específicos para cada cargo, os aprovados aptos terão um encontro no Auditório do HU-UFS no período de 1 a 3 de março, destinado ao conhecimento dos horários de trabalho; assinatura do contrato de trabalho e da Carteira de Trabalho e Previdência Social; e atividades de integração.

    A ausência do candidato nas datas e horários definidos ou a não apresentação de qualquer um dos documentos exigidos para a contratação implicará na exclusão do candidato do presente concurso público.

    Nesta convocação, foram contemplados médicos de diversas especialidades, enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos, técnicos em enfermagem, radiologia e segurança do trabalho, além de analistas e assistentes administrativos.

    Confira a relação de convocados.

    Assessoria do HU-UFS

  • Cerca de cem colaboradores do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS), filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), estiveram reunidos nesta quinta-feira, 4, no evento denominado Integração - Gerência Administrativa. A ação, que ocorre até o final do dia no auditório da Didática I, foi aberta pelo gerente administrativo do HU-UFS, Edélzio Costa Junior.

    “Essa é uma oportunidade para a gente se conhecer melhor, saber um pouco mais sobre as pessoas que trabalham conosco. A gerência não é formada por cargos, mas por pessoas, cada um tem um papel importante nesse processo”, declarou Edélzio, que informou ainda que o foco desta integração está voltado às relações interpessoais.

    A chefe da Divisão de Gestão de Pessoas, Maria Grazielle Silveira, também foi uma das responsáveis pelo evento. “A área administrativa do HU-UFS vem crescendo, com as convocações dos aprovados no concurso da Ebserh, e é preciso integrar todas essas pessoas, fazer com que elas se conheçam mais, sejam elas RJUs (servidores estatutários da UFS), terceirizadas ou vinculadas à Ebserh”, destacou.

    Dinâmica

    A programação do dia abrange dinâmicas de grupo e outras atividades que trabalhem as relações interpessoais. Por conta disso, a psicóloga Tereza Cecília e a pedagoga Silvana Alves, ambas do HU-UFS, conduzem a programação.

    “Esse é um momento diferente do que estamos acostumados, a intenção é se aproximar do colega e encerrar o dia com um grupo mais coeso, mais firme, para ir vencendo os desafios que se apresentam a cada dia”, comentou a psicóloga.

    A Integração - Gerência Administrativa teve início às 10h, com a apresentação musical voluntária do assistente administrativo Fábio Nunes, lotado na Divisão de Gestão de Pessoas do Hospital. Os colaboradores terão um breve intervalo para o almoço e a ação terá continuidade até as 16h.

    Assessoria do HU

  • Informamos com pesar o falecimento da servidora aposentada Yolanda Dantas de Mendonça. A servidora ingressou na Universidade Federal de Sergipe no ano de 1972 e se aposentou em 1992. Em 2014, lançou pela Editora UFS o livro Educação da Criança à Luz da Pedagogia Científica, resultado da sua tese de doutorado apresentado a PUC/SP em 2008. O corpo oi velado e sepultamento acontecerá no cemitério da cidade de Rosário do Catete.

  • A Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (Progep) divulga instrução normativa que trata do Programa de Capacitação da UFS. Essas normas deverão ser observadas para cursos que se destinem à capacitação de técnicos administrativos e docentes.

    Salvo os casos em que haja parceria da UFS com outros órgãos, os eventos de capacitação são de exclusividade do servidor público federal. poderão participar dos eventos de capacitação os servidores que tiverem sua inscrição homologada pela chefia através do Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos (SIGRH). Essa condição se aplica para todos os eventos, independente de ser na modalidade de ensino presencial ou a distância. Qualquer conduta inapropriada implicará na exclusão imediata do interessado do programa de capacitação.

    A frequência será controlada pela equipe da Divisão de Desenvolvimento de Pessoal (Didep). No caso dos cursos presenciais, o professor fará o controle de frequência em sala de aula, através do ambiente virtual de aprendizagem da UcUFS. Nos cursos a distância, a frequência será monitorada através da realização das atividades disponíveis no ambiente virtual.

    Será considerado aprovado nos cursos presenciais o participante que frequentar, no mínimo, 75% das aulas.

    Para mais informações acesse a instrução normativa abaixo.

    Ascom

    comunica@ufs.br

  • relação dos nomes dos classificados e suplentes será divulgada dia 19/2

  • A Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) divulga edital do Programa de Monitoria Remunerada e Voluntária para os períodos 2016/1 e 2016/2, para cursos semestrais, e 2016, para os anuais.

    A partir de hoje, dia 2 de fevereiro, até 4 de março está aberto o período para que as comissões de monitoria locais, de cada centro ou campi, apresentem à Comissão Permanente de Acompanhamento da Monitoria (Copam) a demanda de monitores. O resultado da distribuição das quotas de monitoria remunerada será publicado no Portal UFS até meados de março. O processo de seleção de bolsistas está previsto para ser iniciado em abril.

    O Programa de Monitoria oferecerá 200 bolsas que serão distribuídas entre os centros/campi. Cada um terá uma quota de monitores remunerados, de acordo com o número de disciplinas-turmas ofertadas e alunos matriculados. O número de vagas para a monitoria voluntária ficará a critério de cada campus. O valor da bolsa é de R$ 400 reais e sua duração será de 12 meses, podendo ser renovada por igual período, desde que haja disponibilidade orçamentária anual da UFS.

    Entre os critérios para o exercício da monitoria, o candidato à bolsa deve estar regularmente matriculado e cursando, durante todo o período de vigência da bolsa, pelo menos 50% (cinquenta por cento) dos créditos regulares para o período acadêmico vigente do curso e, no caso de monitoria remunerada, não possuir vínculo empregatício e não receber nenhum outro tipo de bolsa de instituição pública. É necessário também ter sido aprovado na disciplina ou conteúdo exigido no edital de seleção com nota mínima 7,0.

    A monitoria é uma atividade didático-pedagógica vinculada aos cursos de graduação presenciais e a distância que visa contribuir para o aperfeiçoamento do processo de formação discente e para a melhoria da qualidade do ensino.

    Para mais informações, acesse o edital aqui. Veja abaixo a Resolução nº 21/2015/Conepe, que aprova alterações nas normas que disciplinam o Programa de Monitoria da UFS

    Ascom

    comunica@ufs.br

  • O Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS), engajado na campanha do Governo Federal para eliminar os focos do mosquito Aedes aegypti, está participando de uma ação nacional. Trata-se de um mutirão organizado para vistoriar as instalações do hospital em busca de focos do Aedes aegypti, vetor das doenças dengue, zika e chikungunya.

    A iniciativa faz parte de uma ação integrada do Governo Federal, desenvolvida pela Presidência da República, em parceria com os ministérios do Planejamento e da Saúde. Para a superintendente do HU-UFS, Angela Silva, o ato é também educativo.

    “O nosso país está vivendo uma situação de gravidade com a disseminação dessas doenças. O HU de Sergipe está fazendo a sua parte, conscientizando os seus colaboradores e trabalhando para eliminar os possíveis focos do Aedes Aegypti, sem deixar também de orientar os seus funcionários para que façam esse mesmo trabalho em suas residências”, pontuou.

    Uma das ações efetivadas no hospital é a inspeção de suas áreas interna e externa, a fim de detectar pontos que possam acumular água para que estes sejam eliminados. Os funcionários estão recebendo também panfletos e tendo acesso a cartazes com orientações sobre prevenção a essas doenças. “Está sendo feito um trabalho de comunicação interna com o apoio da Coordenação de Comunicação Social da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares”, disse a superintendente.

    Iniciativa

    O próprio HU-UFS vinha trabalhando ações de prevenção e conscientização sobre essas doenças. Uma delas foi baseada em palestras com infectologistas da casa. A última ocorreu durante a I Semana Interna de Prevenção de Acidentes (Sipat), aberta em 27 de janeiro último, quando a infectologista Iza Lobo, que é chefe da Unidade de Gestão de Riscos Assistenciais do HU-UFS, ministrou a palestra Zika Vírus, Microcefalia e Síndrome Guillain Barré.

    “Essa situação de gravidade na saúde pública atinge a todos nós, por isso que fiz a ligação desse tema com a saúde do trabalhador”, comentou a médica, que em sua palestra abordou itens como casos clínicos, diagnóstico e o que pode ser feito para prevenir e tratar essas doenças.

    Assessoria de Comunicação do HU

  • Futuramente, a clínica poderá atender até cerca de 150 pacientes por semana

  • A professora do campus do Sertão da Universidade Federal de Sergipe Fabiana Oliveira da Silva participou de estudo internacional cujo resultado foi publicado em uma das revistas científicas mais respeitadas do mundo, a Science, na última sexta-feira, 22.

    O trabalho foi realizado em colaboração com pesquisadores de 18 países, sob a liderança de Lucas Garibaldi, professor da Universidad de Río Negro, na Argentina.

    O artigo, intitulado "Resultados mutuamente benéficos para diversidade de polinizadores e produtividade agrícola em pequenas e grandes propriedades", foi fruto de pesquisa realizada entre 2010 e 2014 com apoio do Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF) e da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Leia aqui o artigo (em inglês).

    Os especialistas monitoraram 334 propriedades pequenas e grandes localizadas em doze países da África, Ásia e América do Sul.  Foram observados o número de agentes polinizadores, a biodiversidade e o rendimento de 33 cultivos, dos quais caju, canola, maçã, tomate, melão e algodão tiveram dados coletados no Brasil.

    Segundo Fabiana, “o estudo abre uma janela de oportunidade de mudança para o novo paradigma da sustentabilidade, por meio da intensificação ecológica da agricultura”. Isso significa quemelhorar a produtividade das culturas por meio da gestão da biodiversidade pode ser uma saída para o aumento da produção de alimentos, especialmente nos países mais pobres.

    O resultado da pesquisa em todas as nações revela que o rendimento agrícola cresce à medida que a densidade de polinizadores aumenta. “Uma das principais contribuições desse estudo é a constatação de que é possível conciliar produção de alimentos com conservação da biodiversidade e ter como resultado o aumento da produtividade agrícola. Nessa relação os dois lados saem ganhando”, explica a pesquisadora.

    Ainda para a professora, o trabalho realça o comprometimento da UFS com ações voltadas à promoção de modos de produção sustentáveis e fortalece sua relação com importantes pesquisadores. “Pesquisas como estas realçam a sintonia do campus do Sertão com temas científicos mundialmente relevantes e em especial a sua missão na promoção de modos de produção sustentáveis para o Alto Sertão Sergipano”, diz.

    O campus do Sertão da UFS é localizado em Nossa Senhora da Glória. Com cursos focados na agricultura familiar, suas aulas iniciaram em novembro do ano passado.

    Ascom

    comunica@ufs.br

  • Buscando transcender as limitações sofridas pelas pessoas transexuais na sociedade brasileira e proporcionar debates sobre a despatologização das identidades T, a II Semana de Visibilidade Trans (SVT) teve início na última segunda, 25, e seguem até esta sexta, 29.

    Num misto de relatos de vivências e estudos, as mesas, compostas principalmente por pessoas transexuais, falaram sobre a permanência das identidades de gênero em códigos e manuais de doença, o reconhecimento e a inclusão de pessoas trans em diferentes esferas da sociedade,os conceitos de gênero, identidades, entre outros.

    O público, formado por estudantes, professores e pessoas interessadas no assunto, mostrou-se interessado em retirar dúvidas e se aprofundar em um tema pouco discutido nos espaços sociais e na mídia e participou ativamente das mesas “Por que visibilidade trans?” e “O corpo em questão: os limites do saber médico” e da oficina “O papel do profissional de saúde no atendimento às pessoas transexuais”.

    A psicóloga da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Jaqueline Gomes dos Santos, foi uma das debatedoras e levantou a discussão de gênero a partir de um apanhado histórico, além de enfatizar a busca de pessoas transgênero por direitos humanos e civis na sociedade. “A intenção do debate é representara fala das pessoas trans que, em geral, não é ouvida, para que haja um reconhecimento do direito humano, do direito básico à existência, à vida, ao nome, a tudo que é negado às pessoas trans”, declara.

    Professora do Departamento de Fonoaudiologia do campus da UFS em Lagarto, Bárbara Rosa participou das discussões e conta sobre o esforço que a unidade tem feito para discutir e incluir cada vez mais a temática trans. “A gente começou a mobilização pelos professores e tenta fazer com que os profissionais de saúde que se formem na universidade tenham essa visão inclusiva”, afirma.

    “Quando você é uma minoria e sabe das dificuldades que ela passa, você começa a enxergar as outras como igual”, declara Karyo Freire, estudante de Odontologia da UFS que participou da oficina motivado pelas experiências pessoais e pelo desejo de crescer enquanto agente social e futuro profissional de saúde. “Se tanto na minha área como nas outras existem pessoas que se importam, a gente pode se juntar para melhorar a vida da população trans. É preciso conhecer para quebrar os preconceitos”, complementa.

    Realizada pelas ONGs Amosertrans e Unidas em parceria com o Departamento de Psicologia (DPS) da UFS, a IISVT segue até sexta-feira, 29, Dia Nacional da Visibilidade Trans, e conta com próximos debates sobre educação, mídia, cidadania e expectativa de vida, além do manifesto contra a transfobia e a festa de encerramento que busca arrecadar alimentos para a assistência de pessoas transem vulnerabilidade social em Aracaju.

    Programação

    Sexta – 29/01

    8h-12hRoda de conversaQueremos viver mais de 35 anos!

    Local: UFS

    15hIntervenção – Manifesto contra a transfobia

    Local: Praça Tobias Barreto

    19hFesta de encerramento

    Local: Teatro Atheneu

    Ascom

    comunica@ufs.br